Tratamentos

 

 

Queremos proporcionar a você um tratamento de qualidade com foco na reabilitação e estética, objetivando a manutenção de sua saúde bucal. 

dental-foto.jpg

____

 

Tratamento de qualidade

com equipe preparada

 

Conheça nossas principais soluções e agende já a sua consulta. Oferecemos tratamento estético, implantes e próteses, ortodontia, endodontia, clínica geral e prevenção, endodontia, periodontia e cirurgias.

Saúde, auto-estima e cuidado com você

Somos referência no segmento

Tratamentos oferecidos

____

 

 

 

 

img_casal_idoso.jpg
Implantes e Próteses

 

A evolução da odontologia nas últimas décadas tem como foco principal o restabelecimento das funções bucais, em especial relacionadas à estética, ao conforto e à saúde. Nesse sentido, os implantes dentários (implantodontia) representam um enorme avanço.
A implantodontia, técnica utilizada nos implantes dentários para repor dentes perdidos por causas diversas, é um tratamento deąnitivo para a perda dentária e abrange um conjunto de técnicas e ferramentas de diagnóstico. Com o passar do tempo, é natural que os dentes e toda a região bucal sofram o desgaste que todo o nosso corpo sofre. A principal questão é que, além de comprometer a saúde como um todo, a ausência de dentes interfere diretamente na autoestima. Os implantes dentários surgem como uma solução eącaz tanto na estética como na função mastigatória.
A perda dos dentes (edentulismo) pode ser causada por higiene bucal deficiente, problemas periodontais, ausência de tratamentos preventivos e traumas. Mas essa questão está  diretamente relacionada com o avançar da idade. Nestes e em outros casos podemos usar os implantes dentários surgem como solução eficaz.
No Brasil, onde a expectativa de vida da população aumentou em 25 anos nas últimas quatro décadas, a qualidade de vida da terceira idade é um problema premente. Uma pessoa com mais de 65 anos quer continuar usufruindo dos mesmos prazeres que usufruía antes e com o mesmo conforto. Se até algum tempo atrás a odontologia oferecia tratamentos paliativos para esse público, o prolongamento da expectativa de vida impõe tratamentos odontológicos de caráter mais definitivo, como os implantes dentários.
Os procedimentos cirúrgicos realizados sem corte têm revolucionado a técnica convencional, melhorando os resultados cirúrgicos e o pós-operatório dos pacientes.
As cirurgias sem corte oferecem muitos benefícios em relação aos procedimentos tradicionais. As vantagens de um acesso cirúrgico mínimo para uma reabilitação parcial ou total do paciente incluem maior previsibilidade, rapidez e simplicidade e ao pós-operatório do paciente garantem menor sangramento, menos desconforto, menor edema, além de mínima perda óssea.

 

 

 

 

 

texto_periodontia.jpg
Periodontia

 

Visa a cura de processos inflamatórios e infecciosos da gengiva, visando a prevenção às doenças e, se estas já estiverem instaladas, devolver a saúde aos pacientes. Inúmeras doenças podem ser agravadas pelas doenças da gengiva, como o diabetes, problemas cardíacos, etc..

É a área de atuação da Odontologia que cuida dos problemas e das doenças que afetam o periodonto, que é o órgão responsável pela sustentação dos dentes.
Além disso, a periodontia também é responsável pela instalação e manutenção dos implantes dentais para substituição de dentes ausentes.
Existem inúmeras doenças que afetam o periodonto e que podem levar à perda de dentes. Outra possível conseqüência é a participação da doença periodontal
ou da gengiva em outros problemas de saúde, como doenças cardiovasculares, pulmonares e diabetes.
A periodontia interage com a Prótese Dental ou com a Prótese sobre Implantes, pois as próteses substituem dentes ausentes, estão em íntimo contato com a
gengiva e distribuem as forças da mastigação por meio do osso do periodonto. Dessa forma, uma prótese adequada depende de uma boa resposta periodontal.

Realização dos tratamentos: Curetagem supra e subgengival, frenectomia, cirurgias plásticas periodontais, cirurgias estéticas periodontais, enxertos gengivais e profilaxia.

 

 

CAMPANHA-MELHOR-IDADE-FLYER(1)(1) - 07 04 18 - ajustado2.jpg

 

 

 

;

img_tratamentos_esteticos.png
Estética e Restauradora

 

Estética e restauradora é a área da odontologia que devolve a forma natural dos dentes que foi perdido por algum motivo como cárie, desgastes fisiológicos, patogênicos ou iatrogênicos. Para devolver essa forma natural dos dentes utilizamos restaurações diretas de resina ou indiretas de porcelana, como as facetas cerâmicas. Isso quer dizer que hoje em dia, a prótese e a dentística restauradora andam praticamente juntas para realizarem alguns tratamentos como onlays, inlays e facetas. Essas facetas laminadas em porcelana são realizadas por meio de um pequeno desgaste na estrutura dental. Assim, coloca-se uma “capa” (faceta) de porcelana para alterar o formato, alinhar e alterar a coloração dos dentes deixando o sorriso mais harmônico.

 

 

 

 

 

 

img_ortodontia1a.jpg
Ortodontia

 

A Ortodontia e a Ortopedia Funcional dos Maxilares é uma especialidade da odontologia que soluciona desequilíbrios ósseos, musculares e mal funcionamento dos maxilares, assim como corrige o alinhamento dos dentes e problemas da articulação temporomandibular. Essas disfunções são corrigidas com aparelhos removíveis ou fixos .Um bom diagnóstico é determinante para a escolha do aparelho e tipo de tratamento, o que vai promover a estética facial e funções mastigatórias corretas. 

 

 

 

 

 

 

 

texto_endodontia.jpg
Endodontia

 

Tem como objetivo a preservação do dente por meio de prevenção, diagnóstico, prognóstico, tratamento e controle das alterações da polpa e dos tecidos peri-radiculares.

 

 Tratamento de canal

 

Como é o tratamento de canal dente?
O tratamento de canal é feito em diversas etapas, realizadas em várias visitas ao consultório, dependendo do caso. São elas:
- Primeira Etapa: Consiste na abertura da parte posterior de um dente frontal ou na coroa de um dente posterior, molar ou pré-molar.
- Segunda Etapa: A polpa infeccionada é removida (pulpectomia), o espaço pulpar e os canais são esvaziados, alargados e limados, em preparação para o seu
preenchimento.
- Terceira Etapa: Se mais de uma visita for necessária, uma restauração temporária é colocada na abertura da coroa, a ąm de proteger o dente no intervalo das
visitas.
- Quarta Etapa: A restauração temporária é removida e a cavidade da polpa e canal são preenchidos permanentemente. Um material em forma de cone (Ćexível)
é inserido em cada um dos canais e geralmente selado em posição com um cimento apropriado. Algumas vezes um pino de plástico ou metal é colocado no canal
para se conseguir maior resistência.
- Etapa Final: Uma coroa é geralmente colocada sobre o dente para restaurar seu formato e lhe conferir uma aparência natural. Se o dente estiver fraturado ou
muito destruído pode ser necessário colocar um pino cimentado no canal antes da confecção da coroa.


Qual a durabilidade do tratamento dentário após o canal restaurado?
Os dentes restaurados após o tratamento dentário podem durar a vida toda quando recebem a manutenção adequada. Devido ao fato de ainda ser possível o aparecimento de cárie em um dente tratado, uma boa higiene bucal e exames dentários regulares se fazem necessários, a ąm de evitar problemas futuros.


Como não há mais uma polpa viva que mantenha o dente hidratado, os dentes com raiz tratada podem se tornar quebradiços e mais sujeitos à fratura. Este é um
importante aspecto a ser levado em conta quando for optar entre uma coroa ou restauração após o tratamento de canal.


Para se determinar o sucesso ou fracasso do tratamento de canal, o método mais conąável é comparar novas radiograąas com aquelas tiradas antes do
tratamento. Esta comparação mostrará se o osso continua sendo destruído ou se está sendo regenerado.


TECNOLOGIA NA ENDODONTIA
A evolução do tratamento endodôntico pode ser observada com o surgimento de e aquisição de novas tecnologias, entre as quais localizadores apicais eletrônicos, ultrasom, instrumentos rotatórios e uso de microscópio clínico, que possibilitam a realização de uma endodontia segura e rápida, com resultados mais previsíveis do que os alcançados alguns anos atrás.
O índice de sucesso do tratamento endodôntico para casos de polpa vital é de aproximadamente 95% e, em casos de polpa necrosada e contaminada, de cerca
de 85%. As causas desses fracassos estão principalmente associadas à diąculdade com a anatomia interna do dente, uma vez que irregularidades anatômicas favorecem o alojamento de microorganismos, comprometendo o tratamento.

Das novas tecnologias disponíveis atualmente na endodontia, os localizadores apicais eletrônicos são os mais importantes. Esses equipamentos têm como objetivo localizar o ąnal do canal radicular – isto é, ele informa ao proąssional qual o comprimento exato do conduto radicular, permitindo uma instrumentação e limpeza de toda sua extensão, com a obturação chegando mais próximo do ligamento periodontal, vedando de forma mais eąciente esse conduto. Na ausência de localizador apical, o comprimento da raiz é obtido com auxílio de imagens radiográącas. Sabe-se, entretanto, que em muitos casos o comprimento do conduto
radicular não coincide com o comprimento da raiz do dente, e essa diferença diącilmente é identificada na imagem radiografica.
A introdução de radiograąas digitais na rotina do tratamento endodôntico adiciona um avanço signiącativo em relação à avaliação e diagnóstico de alterações
ósseas das regiões perirradiculares.
É importante que as pessoas saibam que a perda de um único dente pode trazer muitas complicações, inĆuenciando inclusive na sua qualidade de vida. Portanto,
torna-se essencial preservar e manter os dentes na cavidade bucal e, em razão disso, não há justiącativa extrair um dente por medo de submeter-se ao
tratamento endodôntico.
Na CLINOCAP seu tratamento é realizado utilizando de técnicas e inovações tecnológicas para assegurar um tratamento seguro, com o conforto e tranqüilidade
que você precisa!

 

 



 

 

Odontogeriatra

 

Segundo o dentista Dalton Costa - doutor em Periodontia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e consultor em Odontogeriatria da Associação Brasileira de Odontologia - estamos evoluindo para um novo modelo voltado para a manutenção dos dentes e menor atividade restauradora, com o objetivo de manter uma mastigação realmente efetiva para absorção mais adequada dos nutrientes essenciais, o que previne doenças e traz mais satisfação e prazer de sorrir e mastigar, como mostram trabalhos científicos recentes. 

A higienização diária e a visita regular ao dentista são fatores decisivos na manutenção da saúde bucal como um todo, evitando assim as doenças orais crônicas prsentes no idoso, que são: cáries de raiz; xerostomia (boca seca); atrião / abrasão (bruxismo, que é o hábito de apertar e ranger os dentes); lesões da mucosa oral (candidíases, leucoplasias, etc); câncer oral e doenças periodontais (atacam os tecidos de suporte e sustentação dos dentes). 

CUIDADOS BUCAIS RECOMENDADOS PARA OS IDOSOS 

- A dieta é de extrema importância. Ela deve ser à base de carnes, frutas, verduras, legumes, cereais e fibras, de acordo com as recomendações médicas para cada indivíduo. Além da necessidade de evitar o consumo excessivo de doces e regrigerantes. 

Fazer a higiene bucal com dentifrício fluoretado e o uso do fio dental, como forma de prevenir a cárie, doença periodontal, halitose e infecç~/oes bucais. 

- No caso das próteses imóveis, além da higienização diária após as refeições, com escova macia e creme dental não abrasivo, duas vezes por semana; deve-se colocar a prótese durante 30 minutos em um copo com metade de água e três gotas de água sanitária. Lavar bastante antes de usar novamente com pasta de dente não abrasiva ou sabonete neutro para tirar o gosto; 

- A limpeza da placa esbranquiçada no dorso da língua, proveniente da má higienização, também é importante. Ela pode ser feita com gaze embebida em solução, escovação ou raspadores; sempre de modo delicado. 

- Os efeitos colaterais na cavidade bucal causados por medicamentos estão relacionados com a qualidade de vida do idoso. Cabe ao dentista orientar o idoso a procurar um médico geriatra para que ele possa gerenciar as medicações prescritas pelos diferentes especialistas. Isso porque elas podem interagir e provocar grandes complicações.

Fonte: https://www.aaps.com.br/ler_noticia.asp?cod=216

 

 

 

 

 

 

Clínica Geral

 

- Clareamento

- Restaurações 

- Facetas estética e lentes de contato. 

 

 

 

 

 

 

Odontologia Médica

 

Os efeitos para a saúde de um programa de atendimento odontológico ultrapassam a melhoria dos dentes e de autoestima dos pacientes, segundo especialistas. Há doenças que são amenizadas ou evitadas em função de uma mastigação adequada, inclusive entre crianças. A
avaliação é apontada como um dos pontos positivos do programa Brasil Sorridente, que atende 85% dos municípios atualmente. 
“Não mastigar bem, não ter como mastigar, obviamente vai interferir no processo de digestão, o que vai acarretar um grande número de quadros sistêmicos”, resume o coordenador de Saúde Bucal do Ministério da Saúde, Gilberto Pucca.
Uma das principais ações para ampliar os cuidados bucais é aumentar o acesso à água Fluoretada. A medida reduz o número de cáries na população em geral e, por consequência, o de obturações e o de extrações.


Dr Dalton Costa,  Cirurgião Dentista, lembra: O comprometimento dos dentes e de suas estruturas de suporte são achados clínicos preocupantes nos pacientes afetados por doenças e desordens sistêmicas, podendo resultar em uma substancial queda na qualidade de vida dos pacientes.  “Em crianças com problemas renais, mesmo com todos
os medicamentos, enquanto não se trata a saúde bucal, (o tratamento) não consegue dar conta
das infecções recorrentes”, exemplifica. Úlceras gástricas, diabetes, AVC, pneumonia e até problemas cardíacos podem estar relacionados à saúde bucal. 

 

A doença periodontal é desencadeada por uma agressão microbiana seguida de uma resposta imunoinflamatória específica com repercussões locais e sistêmicas. Como fator de risco potencial para o desenvolvimento de doenças sistêmicas como acidente vascular cerebral, partos pré-termo, diabetes, aterosclerose e infarto do miocárdio.

 

O estudo dos meios pelos quais a Doença Periodontal pode influenciar uma série de desordens sistêmicas é chamado de medicina periodontal. O biofilme aderido aos dentes pode liberar produtos bacterianos tóxicos biologicamente ativos e o periodonto responde a estas substâncias através da inflamação. Existe um espectro variado de respostas inflamatórias periodontais à agressão microbiana, desde uma leve gengivite a uma Doença periodontal avançada. Os produtos bacterianos associados a mediadores inflamatórios podem levar o paciente a produzir uma série de respostas sistêmicas.

https://www.youtube.com/watch?v=isxO2jOXA_s
Fonte: Rede Brasil Atual

 

 

 

Pacientes oncológicos

devem ir ao dentista antes de iniciar tratamento.

 

Após o diagnóstico de um câncer, o paciente oncológico precisa se preocupar com diversas questões que vão desde o tipo de tratamento, gastos que vai ter, quanto tempo vai demorar etc. Um ponto que muita gente esquece é a importância de consultar um dentista antes de iniciar os procedimentos.

Em entrevista ao Vencer o Câncer, o dentista Luis Marcelo Sêneda, responsável pelo departamento de Medicina Bucal do Hospital São José – Beneficência Portuguesa, explica que a recomendação de fazer uma avaliação odontológica serve para todo paciente oncológico, não somente aqueles com tumores de cabeça e pescoço.

 

Consulta pré-tratamento

A boca pode ser uma fonte rica em bactérias que são especialmente perigosas para quem vai entrar em tratamento contra o câncer.

“Nós, primeiramente, procuramos um possível foco de infecção, que pode ser uma doença periodontal (doença da gengiva e de todos os tecidos que dão suporte ao dente) ou cáries muito profundas. Também verificamos dentes com mobilidades e que precisam ser removidos antes de iniciar o tratamento oncológico. Isso é de extrema importância, pois os pacientes que fazem uso de quimioterápicos ficam com o sistema imunológico mais debilitado. Então uma doença periodontal, por exemplo, que estava lá crônica e a pessoa nem sabia que tinha, pode se agudizar e virar um grande problema.”

 

Efeitos da quimioterapia 

“Algumas drogas têm a capacidade de afetar a mucosa da boca causando inflamações e feridas semelhantes a aftas, mas que são chamadas de mucosites.  Muitas vezes o paciente está debilitado e ele não consegue comer por causa da mucosite, porque sente muita dor. A mucosa é uma proteção, uma barreira protetora, e quando temos a quebra dessa barreira, há maior risco de infecção por agentes oportunistas. Por isso, na fase de imunossupressão, elas têm maior probabilidade de acontecer”, adverte o dentista.

Uma das formas de prevenção da mucosite é a laserterapia de baixa intensidade. O laser é um bioestimulador que auxilia na redução do processo inflamatório, modula a dor e auxilia no processo de reparo do tecido lesado. É importante conversar com seu oncologista sobre essa possibilidade.

 

Boca seca durante o tratamento

Muitas vezes, o paciente em tratamento oncológico precisa tomar remédios para dor (opiáceos) e antidepressivos. Alguns ainda tomam outros medicamentos porque possuem outras doenças associadas, como pressão alta, diabetes e doença renal. Por conta disso, é extremamente comum surgir um quadro de boca seca (xerostomia).

“O meio bucal é concebido para estar úmido, não seco. Para aliviar esse sintoma, existem atualmente lubrificantes orais que servem tanto para repor quanto para melhorar a lubrificação da boca. Eles estão disponíveis na forma de gel, spray ou manipulado. A saliva não é só um lubrificante bucal, ela promove a auto-higiene dos dentes. O paciente com boca seca tem mais placas bacterianas, que acumula mais agentes ofensivos e produz mais toxinas, aumentando o risco da mucosite, uma das complicações bucais mais comuns durante o tratamento oncológico”. 

 

Efeitos da Radioterapia

“Pacientes com câncer na região da cabeça e pescoço e que são submetidos a radioterapia precisam de cuidados maiores, porque ele vai produzir menos saliva. Além disso, como é justamente a região que inclui a boca a ser irradiada, há riscos de desenvolver um tipo de cárie com um efeito colateral tardio, denominada cárie de radiação. Atualmente você vê menos do que há alguns, por conta das radioterapias com intensidade modulada, mas ainda assim é preciso muita atenção. Esse tipo de cárie, que atinge a porção entre dentes e gengivas, se desenvolve muito rapidamente e há um enorme risco de o paciente acabar perdendo o dente.”

 

Recomendações a serem seguidas durante o tratamento do câncer:

 

Escovar os dentes com pasta contendo flúor.

Passar fio dental suavemente.

Fazer gargarejos com bicarbonato de sódio.

Remover a dentadura e fazer sua limpeza adequadamente.

Escolher alimentos que exijam pouca ou nenhuma mastigação.

Evitar alimentos ácidos, picantes, salgados e secos.